O respeito que mereço não depende da roupa que visto



Nem queria falar nada sobre esse lance de estupro por achar que não tenho conhecimento suficiente do assunto, mas sabe de uma coisa? Sou mulher, conheço sim os preconceitos que ainda existem, os perigos que nos rondam e acho que toda fala, escrita ou ajuda é válida. Graças a Deus nunca fui vítima de assédio sexual tão grave quanto um estupro, mas você não acha que existem diversos tipos de estupros? Sim, vários, inúmeros! Quantas meninas são estupradas emocionalmente todos os dias? Quantos olhares maliciosos passam por nós quando usamos uma saia mais curta? Quantos comentários e cantadas baratas já fomos obrigadas a ouvir? Quantas de nós já fomos agredidas por pessoas próximas? Tenho certeza que você homem ou mulher que está lendo esse texto lembrou de alguma situação que viveu ou presenciou não é verdade?
Infelizmente ainda vivemos em um país machista, em que se a mulher andar vestida em uma roupa curta ela é mal vista pela sociedade. Como se não bastasse agora vem essa de que  a mulher é a maior culpada se caso sofrer um estupro? Tenho certeza que eu não pediria ou facilitaria algo sujo, desrespeitoso e violento assim. Já aguentamos caladas muitas coisas, e acredito que se nos acusaram de facilitadoras de um crime tão hostil, devemos mostrar que aparência, gosto musical, cor nem condição social são motivos para aceitarmos qualquer coisa.
Já passei por situações muito desconfortáveis que não chegam aos pés de um estupro, mas que se eu não tivesse sofrido, com certeza não teria sito tão ferida emocionalmente. Vou dar alguns (poucos) exemplos do já que me aconteceu e sei que muitas meninas vão se identificar com alguma das situações. A primeira vez que me senti defraudada emocionalmente foi ouvir meu ex-namorado que vivia me traindo e me desrespeitando, falar palavrões horríveis e até levantar a mão para me bater simplesmente por eu ter usado uma saia curta, ou por não aceitar as traições dele. Depois de um tempo quando fui morar em outra cidade,  um professor começou a me cantar descaradamente, eu nunca dei abertura, mas tive que aguentar conviver com ele, tinha medo até de o encontrar pelo meu bairro, muitas vezes me escondi, tinha nojo até de olhar em seu rosto, e não era só comigo que ele tinha esse comportamento, algumas colegas de sala me relataram o mesmo. Além desses dois exemplos que me fizeram sentir muito mal, tinha um certo medo de alguns moradores e funcionários de lojas do bairro em que eu morava pelos comentários horríveis e os olhares maliciosos que me faziam sentir despida.
Aparentemente não relatei nenhuma situação grave e nem algo que tenha me deixado grandes sequelas realmente, mas me magoaram muito, tanto que não consegui esquecer. Agora pergunto: e uma mulher que já foi estuprada, que engravidou ou ainda contraiu DST's por causa disso? Como deve ser o psicológico delas? Meninas, está na hora de FALAR, GRITAR, seja o que for! Não vamos nos calar, e não importa se o assédio foi grande ou pequeno, ele não deixa de ser constrangedor. Calar só acumula mais dor. 

imagem: we heart it




2 comentários:

  1. ótimo post!!!! Assunto que está rendendo esses dias.. E olha temos que aguentar cada coisa que não é nada fácil.. imagina que sofreu coisas piores!!! Não é a roupa que diz sobre a pessoa, isso não tem cabimento!!!

    Beijinhos ♥

    ResponderExcluir
  2. Verdade Suellen... É sempre muito bom ter você por aqui!
    Beijos :)

    ResponderExcluir

Para ter a sua foto nos comentários desse blog é preciso cadastro no Blogger

Seguidores

I like

Postagens populares